quarta-feira, 10 de maio de 2017

Textos de apoio: Pirataria

Olá!
Acesse os links abaixo para orientar a produção do texto sobre o assunto.

1 - 71% dos brasileiros compram produtos piratas

2 - Dados e informações sobre a pirataria

3 - Dados de pesquisa feita pela Fecomércio-RJ (Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro)
o mercado desses produtos prospera e os compradores são cerca de 79 milhões de pessoas;

93% dos consumidores de produtos do comércio ilegal apontam a diferença de preço como principal motivação da compra. Parte da diferença de preço é explicável pela pesada tributação dos bens de consumo;
> os produtos mais comprados – CDs, apontados por 86% dos entrevistados, e DVDs, indicados por 35% – são muito caros para grande parte dos brasileiros;
> outros produtos de consumo também atraentes, como relógios, óculos, tênis e brinquedos, são igualmente muito mais acessíveis nas bancas de produtos falsificados e contrabandeados. Como convencer as pessoas de que devem renunciar ao consumo desses bens, quando todas são bombardeadas continuamente por estímulos publicitários? Mas os consumidores não são apenas os pobres ou remediados. Quando se perguntou que produtos piratas não seriam comprados, 40% indicaram equipamentos eletrônicos, 37%, programas de computador, e 30%, acessórios para veículos. A resposta ‘cívica’ seria ‘nenhum’;
as entrevistas mostraram que os consumidores têm consciência dos males causados pelo comércio ilegal. Prejuízos para o artista foram mencionados por 83%. Sonegação de impostos foi citada por um número igual. Vantagens para o crime organizado foram apontadas por 70%.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Proposta de carta convite

Tema de redação Unicamp 2015: Carta-convite à comunidade escolar


Share
Em busca de soluções para os inúmeros incidentes de violência ocorridos na escola em que estudam, um grupo de alunos, inspirados pela matéria “Conversar para resolver conflitos”, resolveu fazer uma primeira reunião para discutir o assunto. Você ficou responsável pela elaboração da carta-convite dessa reunião, a ser endereçada pelo grupo à comunidade escolar (alunos, professores, pais, gestores e funcionários). A carta deverá convencer os membros da comunidade escolar a participarem da reunião, justificando a importância desse espaço para a discussão de ações concretas de enfrentamento do problema da violência na escola. Utilize as informações da matéria abaixo para construir seus argumentos e mostrar possibilidades de solução. Lembre-se de que o grupo deverá assinar a carta e também informar o dia, o horário e o local da reunião.
Conversar para resolver conflitos.
Quando a escuta e o diálogo são as regras, surgem soluções pacíficas para as brigas.
Alunos que brigam com colegas, professores que desrespeitam funcionários, pais que ofendem os diretores. Casos de violência na escola não faltam. A pesquisa O Que Pensam os Jovens de Baixa Renda sobre a Escola, realizada pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) sob encomenda da Fundação Victor Civita (FVC), ambos de São Paulo, revelou que 11% dos estudantes se envolveram em conflitos com seus pares nos últimos seis meses e pouco mais de 8% com professores, coordenadores e diretores. Poucas escolas refletem sobre essas situações e elaboram estratégias para construir uma cultura da paz. A maioria aplica punições que, em vez de acabarem com o enfrentamento, estimulam esse tipo de atitude e tiram dos jovens a autonomia para resolver problemas.
Segundo Telma Vinha, professora de Psicologia Educacional da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e colunista da revista NOVA ESCOLA, implementar um projeto institucional de mediação de conflitos é fundamental para implantar espaços de diálogo sobre a qualidade das relações e os problemas de convivência e propor maneiras não violentas de resolvê-los. Assim, os próprios envolvidos em uma briga podem chegar a uma solução pacífica. Por essa razão, é importante que, ao longo do processo de implantação, alunos, professores, gestores e funcionários sejam capacitados para atuar como mediadores. Esses, por sua vez, precisam ter algumas habilidades como saber se colocar no lugar do outro, manter a imparcialidade, ter cuidado com as palavras e se dispor a escutar.
O projeto inclui a realização de um levantamento sobre a natureza dos conflitos e um trabalho preventivo para evitar a agressão como resposta para essas situações. Além disso, ao sensibilizar os professores e funcionários, é possível identificar as violências sofridas pelos diferentes segmentos e atuar para acabar com elas.
Pessoas capacitadas atuam em encontros individuais e coletivos
Há duas formas principais de a mediação acontecer, segundo explica Lívia Maria Silva Licciardi, doutoranda em Psicologia Educacional, Desenvolvimento Humano e Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A primeira é quando há duas partes envolvidas. Nesse caso, ambos os lados se apresentam ou são chamados para conversar com os mediadores – normalmente eles atuam em dupla para que a imparcialidade no encaminhamento do caso seja garantida – em uma sala reservada para esse fim. Eles ouvem as diversas versões, dirigem a conversa para tentar fazer com que todos entendam os sentimentos colocados em jogo e ajudam na resolução do episódio, deixando que os envolvidos proponham caminhos para a decisão final.
A segunda forma é utilizada quando acontece um problema coletivo – um aluno é excluído pela turma, por exemplo. Diante disso, o ideal é organizar mediações coletivas, como uma assembleia. Nelas, um gestor ou um professor pauta o encontro e conduz a discussão, sem expor a vítima nem os agressores. “O objetivo é fazer com que todos falem, escutem e proponham saídas para o impasse. Assim, a solução deixa de ser punitiva e passa a ser formativa, levando à corresponsabilização pelos resultados”, diz Ana Lucia Catão, mestre em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). Ela ressalta que o debate é enriquecido quando se usam outros recursos: filmes, peças de teatro e músicas ajudam na contextualização e compreensão do problema.
No Colégio Estadual Federal (CEF) 602, no Recanto das Emas, subdistrito de Brasília, o Projeto Estudar em Paz, realizado desde 2011 em parceria com o Núcleo de Estudos para a Paz e os Direitos Humanos da Universidade de Brasília (NEP/UnB), tem 16 alunos mediadores formados e outros 30 sendo capacitados. A instituição conta ainda com 28 professores habilitados e desde o começo deste ano o projeto faz parte da formação continuada. “Os casos de violência diminuíram. Recebo menos alunos na minha sala e as depredações do patrimônio praticamente deixaram de existir. Ao virarem protagonistas das decisões, os estudantes passam a se responsabilizar por suas atitudes”, conta Silvani dos Santos, diretora. (…) “Essas propostas trazem um retorno muito grande para as instituições, que conseguem resultados satisfatórios. É preciso, porém, planejá-las criteriosamente”, afirma Suzana Menin, professora da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp).
(Adaptado de Karina Padial, Conversar para resolver. Gestão Escolar. São Paulo, no . 27, ago/set 2013. http://gestaoescolar.abril.com.br/formacao/conversar-resolver-conflitos-brigas-dialogo-762845.shtml?page=1. Acessado em 02/10/2014.)
Orientações para a redação proposta:
O gênero carta-argumentativa é bastante usado no dia a dia de indivíduos que participam ativamente de sua comunidade. Em geral, ele se caracteriza como uma ação discursiva que demanda um outro tipo de ação de seu interlocutor. 
Esse gênero, portanto, apresenta como uma de suas principais características um conjunto de marcas explícitas que indicam quem produz a carta, a quem ela se destina e as circunstâncias de sua produção. O manejo apropriado dessas marcas era uma habilidade importante a ser avaliada. No caso da proposta em questão, o candidato deveria identificar-se como o indivíduo que, como membro de um grupo específico, ficou encarregado de escrever uma carta destinada à comunidade escolar (pais, professores, gestores, funcionários e alunos), convidando-a para uma reunião para tratar do tema da violência escolar. 
A carta-argumentativa também se caracteriza por organizar um conjunto de argumentos visando a convencer o seu leitor a cumprir o papel para o qual a carta o convida. No caso em questão, o candidato deveria fazer um convite para que determinada comunidade escolar participasse de uma reunião cujo objetivo principal seria discutir tema de relevância para esta comunidade. Para tanto, esperava-se do candidato que lançasse mão dos argumentos presentes no texto de apoio para organizar sua própria argumentação, configurando um convite que de fato convencesse o interlocutor a participar do evento para o qual era chamado. Nesse sentido, o candidato deveria mostrar habilidades relativas ao uso de exemplificações, de pequenos relatos e descrições, de analogias, de citações e de generalizações ou propostas pertinentes ao tema e ao propósito do texto. 
Além disso, esperava-se do candidato que estruturasse seu texto de forma a contemplar recursos que produzissem um efeito de aproximação do seu interlocutor. O uso de vocativos e do endereçamento direto era também esperado. 
Por fim, a possibilidade de solução apresentada pelo candidato deveria estar bem justificada e os exemplos de soluções encontradas por outros estabelecimentos de ensino para o problema da violência escolar, presentes no texto-fonte, deveriam contribuir para o envolvimento do interlocutor com o tema da carta. 
Tema e orientações disponíveis no site: http://www.comvest.unicamp.br

Jogos: Predicação, tipos de predicados e vozes do verbo

Olá!
Mais jogos para vocês treinarem os conteúdos estudados nas últimas aulas. Clique nos links e bons estudos!

1) Jogo - Predicação


2) Tipos de predicados


3) Voz do verbo


4) Voz do verbo