quarta-feira, 12 de junho de 2013

Poesia visual (7º ano)

Definição: O poema visual caracteriza-se por valorizar a imagem como entidade universal. A palavra, no caso, é um complemento muito bem explorado e colocado, compondo um todo harmônico capaz de permitir ao expectador, uma infinidade de leituras, de acordo com o nível do seu conhecimento, experiência, cultura e escolaridade. A poesia visual transmite uma mensagem não só através da linguagem verbal, mas também utilizando recursos diferentes, como a construção de imagens, para chamar a atenção do leitor. Através desse tipo de poesia, é possível ter variados pontos de vista sobre uma mesma obra.

As poesias visuais são compostas por elementos visuais ou gráficos organizados artisticamente, que conseguem transmitir algum tipo de mensagem, reflexão.

Objetivos: Relacionar a expressão visual com a expressão escrita, promovendo o interesse pela leitura da poesia.
Uma tentativa de romper com a ditadura da forma discursiva do poema.

Abaixo alguns dos poemas que vimos na sala. 

 



Poesia Cinética - Millôr Fernandes


Poesia Cinética II - Millôr Fernandes

Figura de linguagem (7º ano)

Meninos e meninas, 
Estou postando o link do vídeo sobre o tema estudado na semana passada. Espero que ajude àqueles que ainda não compreenderam o assunto. 

Para assistir ao vídeo [clique aqui].

domingo, 9 de junho de 2013

Poesia (7º ano)

Para revisar e compreender melhor o conteúdo trabalhado em sala de aula ao longo do trimestre, assista ao vídeo produzido pelo programa palavra puxa palavra.

Para assistir ao vídeo [clique aqui].

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Correção: caderno de atividade (9º ano)

Meninos e meninas,
Conforme combinei com vocês, segue abaixo a correção da atividade do caderno de atividade (p. 35 a 47). Qualquer dúvida sobre alguma questão, podem me perguntar na sala.

49. 7; 4; 1; 2; 3; 9; 8; 5; 10; 6

50.
a) As folhas do livro estavam amarelas, já que o livro era muito velho.
b) Vou ao congresso, mas não estou me sentido bem.
c) Fale baixo ou sai daqui.
d) Juliana é uma boa pessoa, entretanto gosta de fofocas.
e) Fui à casa de Paulo, contudo ele não me atendeu.
f) Lucas não foi ao trabalho hoje, portanto você não o encontraria lá.
g) Não me dediquei aos estudos, logo fiquei de recuperação.
h) Gosto de teatro e adoro cinema.

51. (x) Em I, II e III

52. (x) adversativo, aditivo, aditivo, adversativo, adversativo

53.
a) Conjunção: porque
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética explicativa

b) Conjunção: porém
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética adversativa

c) Conjunção: nem
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética aditiva

d) Conjunção: logo
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética conclusiva

e) Conjunção: que
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética explicativa

f) Conjunção: e
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética aditiva

g) Conjunção: entretanto
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética adversativa

h) Conjunção: ou
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética alternativa

i) Conjunção: portanto
    1ª oração: oração coordenada assindética
    2ª oração: oração coordenada sindética conclusiva

54. (x) Manoel não solucionou as questões de matemática, entretanto respondeu [...]

55. (x) todavia, porque, portanto, ou, e

56. E; C; E; E; C; C; E; E; E; E; C; C; C; E; E; E; C; C; E; E.

57.
a) Oração coordenada assindética
b) Oração coordenada assindética
c) Oração coordenada sindética adversativa
d) Oração subordinada adverbial proporcional.
e) Oração subordinada adverbial conformativa
f) Oração coordenada assindética
g) Oração coordenada sindética adversativa
h) Oração principal
i) Oração coordenada sindética explicativa
j) Oração coordenada sindética adversativa
k) Oração subordinada adverbial conformativa
l) Oração subordinada adverbial condicional.

58.
a) (x) Marcelo se dedicou demais à tarefa, pois [...]
b) (x) Você precisa agilizar sua mudança, que [..]
c) (x) Hoje está muito frio, portanto [..]
d) (x) Não compareci a sua festa, porque [...]
e) (x) A festa estava belíssima, contudo [...]

59. D, B, E, D, C, F, C, A, D.

60.
a) (x) é uma sucessão de [...]
b) (x) são orações absolutas.
c) (x) cactos podem passar longos períodos sem água, contudo [...]

61. (x) No período acima temos três orações coordenadas, sendo duas assindéticas e uma sindética aditiva.

62. (x) Meu primo [...]

63.
a) (x) causa
b) (x) condição
c) (x) proporção
d) (x) concessão
e) (x) tempo
f) (x) conseqüência
g) (x) finlidade.

64. (x) Comparativa; conformativa; causal.

65.
a) (x) Concessão
b) (x) Em II, a oração subordinada adverbial empregada antes da oração principal reforça a ideia de que Paulo é o culpado por ter matado um homem [...]

66. (x) Não compartilho [...]

67.
a) (x) apresenta orações coordenadas assindéticas
b) (x) você pode me dar todos os motivos, todavia [...]

68.
a) (x) causa
b) (x) condição
c) (x) Na frase I, o falante indica mais certeza em relação a seu futuro do que na frase II [...]

69. (x) tempo, condição, causa.

70.
a) (x) Como o dia amanheceu [...]
b) (x) o dia amanheceu chuvoso hoje, de modo que [...]

71. (x) As festas de fim de ano já chegaram, mas [...]

72.
a) Quando eu cheguei, Vera já havia saído.
b) Embora não pareça, Elias é um bom rapaz.
c) Preciso ser esperto como você.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Correção de atividade (7º ano)

Correção da atividade do livro p. 126 a 131

01. O primeiro texto é uma notícia e o segundo é um conto.

02. O que diferencia os textos é o modo como o tema é tratado, ou seja, a linguagem utilizada em cada um.

03.
a) Ambas descrevem um tigre devorando uma pessoa
b) A segunda, do conto de Marina Colasanti, porque não apresenta o fato simplesmente, de maneira objetiva, mas usa a linguagem mais elaborada, subjetiva, na qual revela, de modo poético, a relação do narrador com o animal.

04. É o caso de Sirikanto Barmana, cujo companheiro de pescaria, Ali, foi transferido de uma só bocada para o úmido calor das entranhas do tigre.

05. Na reescrita o texto se aproxima mais da linguagem utilizada em um conto literário.

06. Não. A linguagem usada em textos jornalísticos deve ser objetiva, direta, apresentando as informações sem manifestar, explicitamente, uma opinião ou um juízo de valor a respeito delas, sem expressar emoções.

07.
a) “brilho”
b) “abrasadora”
c) “forte e penetrante bafo de pássaros mortos”

08. Uma mulher abriu a sombrinha para se proteger da claridade do sol e, enquanto caminhava por uma rua deserta, sentiu um cheiro forte e desagradável que os quartos de todas as casas da rua exalavam.

09. “[...] palavras guardadas em frascos de cristal”; “loucas de vontade de ser escolhidas”; “os poetas [...] provavam palavras com o dedo”

10. O autor assemelha as palavras a alimento, a algo que é experimentado, provado. Os trechos “os poetas [...] provam palavras”, “Na casa das palavras havia uma mesa das cores [...]”

11. As palavras devem ser encontradas no dicionário.

13.
a) “Naquela espécie de cadeira canônica, de coro de abadia pobre, que também pode parecer o trono de um rei desolado de um reino desolante”
b) “Executou com maestria aqueles movimentos rápidos em torno da biqueira”
c) “A testa e a calva do valente filho do povo ficaram manchadas de graxa e o meu sapato adquiriu um brilho de espelho à custa do suor alheio”.
d) “Brilho humano, salgado com lágrima”